31 de outubro de 2013

MEDITAÇÃO DO DIA

31 de outubro Dia 304  

Leituras: João 7:32-39; Tiago 1:19-27; Salmo 105:23-45; Provérbios 26:1-6; Miquéias 1-3.  

Versículo Especial: “Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” (Tiago 1:22).  

Pensamento Bíblico: “Tornai-vos, Pois, Praticantes da Palavra” (Tiago 1:21-27). O mundo está cheio de pessoas que falam muito sobre idéias, mas nunca se mexem para mudar suas vidas. Tiago reconheceu que as igrejas também podem ficar cheias de tais pessoas. Ele adverte sobre aqueles que saem de um lugar de adoração elogiando um “bom sermão”, mas que passam a semana sem aplicar essa mensagem. O evangelho tem como mudar-nos de dentro para fora!  

 Ação: Seja um praticante e não somente um ouvinte.

28 de outubro de 2013

MEDITAÇÃO DO DIA

28 de outubro Dia 301  

Leituras: João 7:1-9; Hebreus 13:17-25; Salmo 104:1-15; Provérbios 25:8-14; Obadias.  

Versículo Especial“Se te remontares como águia e puseres o teu ninho entre as estrelas, de lá te derribarei, diz o Senhor” (Obadias 4).  

Pensamento Bíblico: “De Lá Te Derribarei” (Obadias 2-4). O livro de Obadias é um anúncio breve e direto do julgamento da nação de Edom. Esta vizinha de Israel foi condenada por diversas razões, a principal das quais foi sua orgulhosa glorificação de si mesma. Deus sempre desprezou a arrogância e o orgulho, seja este mostrado por indivíduos ou nações inteiras.  

AÇÃO: Não se deixe enganar pelo orgulho. Tente ver-se como Deus o vê.

27 de outubro de 2013

MEDITAÇÃO DO DIA

27 de outubro Dia 300  

Leituras: João 6:60-71; Hebreus 13:1-16; Salmo 103; Provérbios 25:1-7; Amós 8-9.  

Versículo Especial: “Respondeu-lhe Simão Pedro: Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras da vida eterna” (João 6:68).  

Pensamento Bíblico“Senhor, Para Quem Iremos?” (João 6:68). Quando Jesus ensinava a respeito da natureza espiritual de sua missão e a dedicação que ele exigiria de seus seguidores, a maioria se afastou. Tal ensinamento era demais para eles. Jesus dirigiu-se aos doze e perguntou se eles também desejavam deixá-lo. A resposta de Pedro afirmou importantes verdades sobre Jesus: ì Ele é o Cristo, o Filho de Deus e í Ninguém mais pode prover o que ele dá: a vida eterna.  

Ação: Não permita que “as duras palavras” de Jesus o façam voltar atrás.

26 de outubro de 2013

MENSAGEM PARA SEU CORAÇÃO

O Justo Juízo de Deus (Romanos 2:1-16)
Lendo as fortes palavras do final do capítulo 1, alguns cristãos – especialmente judeus – poderiam ser tentados a concordar com Paulo e condenar “aqueles pecadores” que praticam e aprovam coisas dignas de morte. Esses religiosos facilmente lamentariam o estado depravado dos outros, sem perceber que estavam no mesmo lamaçal do pecado. Nos capítulos 2 e 3, Paulo afirma que o problema do pecado é universal, atingindo igualmente judeus e gentios.
O Perigo de Auto-Justiça
É muito fácil enxergar e condenar as falhas dos outros. O homem que confia na sua própria justiça não reconhece a sua própria necessidade da graça de Deus (1-4). Durante o seu ministério na terra, Jesus batalhava contra a arrogância e auto-justiça de seitas como os fariseus (veja Mateus 23:27-28). Paulo, um ex-fariseu, agora luta contra o mesmo orgulho religioso de seus compatriotas.
A auto-justiça traz conseqüências gravíssimas. Quando a pessoa recusa a ajuda oferecida por Deus, não há outro remédio. Vai caminhando para a morte, incapaz de se livrar dos laços da iniqüidade. Tal pessoa acha algum conforto em ver os pecados maiores dos outros, e não reconhece que o Deus justo rejeitará todos que praticam a injustiça (5-11).
A Justiça de Deus
Ao mesmo tempo que Paulo tira as desculpas das pessoas que se julgam boas, ele oferece esperança. Deus oferece a glória, honra, incorruptibilidade e paz (7,10). Mais adiante explicará melhor as condições para receber essas bênçãos (veja 3:24; 4:16; 5:2; 6:14; 11:6; etc.). Por enquanto, ele simplesmente se refere à bondade, à longanimidade e à tolerância de Deus para com os arrependidos (4). A esta altura, ele enfatiza a igualdade de judeus e gentios. Os pecadores de qualquer nação serão condenados, e os justos de qualquer povo serão glorificados. Deus julgará cada um conforme os seus atos (6), e não mostra acepção de pessoas (11).
A Igualdade de Judeus e Gentios
Os judeus confiaram na lei que Deus lhes deu por intermédio de Moisés. Por terem recebido essa revelação especial, acharam-se superiores aos gentios. Mas possuir a lei não salva. Ser ouvinte da lei não salva. Para serem justificados, teriam de obedecer à lei. Paulo ainda mostrará que nenhum judeu obedeceu a lei perfeitamente. Aqui ele ousa dizer que um gentio que respeite os princípios de justiça, mesmo não tendo a lei escrita, seria aceito por Deus. Tal afirmação seria, para muitos judeus, praticamente blasfêmia! Para apreciar a importância e a necessidade do evangelho, é preciso primeiro descartar falsas bases de confiança. O homem que confia em sua própria justiça não será salvo. A pessoa que se acha segura por fazer parte do povo “escolhido” sofrerá uma grande decepção. Cada um será julgado – não por ser judeu ou gentio – mas de acordo com seu procedimento. O julgamento será feito por um Deus onisciente, usando como base o mesmo evangelho pregado por Paulo (16; João 12:47-48).
O Justo Juiz
Com Deus, não há acepção de pessoas. Pedro entendeu esse fato quando pregou, pela primeira vez, aos gentios (Atos 10:34). Aqui, Paulo reafirmou a mesma verdade quando falou da necessidade universal do evangelho (11). Deus é um juiz justo. Cabe ao homem se conformar com a vontade do Senhor.
(por Dennis Allan) Que Deus Abençoe a Todos Pastor Antonio Marques

MEDITAÇÃO DO DIA

26 de outubro Dia 299  

Leituras: João 6:52-59; Hebreus 12:18-29; Salmo 102:18-28; Provérbios 24:28-34; Amós 6-7.  

Versículo Especial: “Em tempos remotos, lançaste os fundamentos da terra; e os céus são obra das tuas mãos” (Salmo 102:25).  

Pensamento Bíblico“Imaginais Estar Longe o Dia Mau” (Amós 6:1-7). O povo de Israel vivia no luxo, despreocupadamente, esquecido do fato de que sua nação estava decaindo espiritualmente. Recusando-se a admitir a profundidade de seus problemas, eles os tornavam piores. Eles recusaram as advertências de Amós e de outros, dizendo: “Não vai acontecer comigo”. Eles estavam errados.  

Ação: Olhe para a condição corrompida de nossa sociedade. Faça alguma coisa por ela: compartilhe o evangelho!

25 de outubro de 2013

MEDITAÇÃO DO DIA

25 de outubro Dia 298  

Leituras: João 6:41-51; Hebreus 12:1-17; Salmo 102:1-17; Provérbios 24:23-27; Amós 4-5.  

Versículo Especial: “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e de pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta” (Hebreus 12:1).  

Pensamento Bíblico: “Desembaraçando-nos De Todo Peso” (Hebreus 12:1). Antigos exemplos de fé estão registrados para nos desafiar e encorajar. Eles nos relembram que podemos vencer obstáculos, quando corremos para a vitória em Jesus. Para gozarmos a vitória, temos que abandonar o pecado e mostrar esforço e resistência.  

Ação: Não desista. Corra com perseverança.

24 de outubro de 2013

MENSAGEM PARA SEU CORAÇÃO


“Acho que Deus quer que eu seja feliz”
O homem foi embora, deixando para trás seu casamento e seus dois filhos. Um ano depois encontrou uma outra mulher que lhe fazia sentir-se “vivo”. Seu primeiro casamento fora uma luta desde o começo, e só tinha piorado. Ele não era feliz; nem ela. Ele sempre tinha visto divórcio como algo errado, mas sua situação era única. Quando questionado de uma perspectiva bíblica sobre seus planos de casar de novo, reconheceu que não teve nenhum direito, mas disse: “Acho que Deus quer que eu seja feliz”
A menina tinha apenas dezesseis anos. Veio de uma família com pais separados. Seu pai tinha divorciado sua mãe dez anos antes. Apesar de ser popular na escola, ela ainda lutava com insegurança. Ela desejava a atenção que os meninos a deram. Ela sabia que a fornicação era errada, mas sua situação era única. Ela estava só e ficar com “ele” fazia-a se sentir feliz e segura. Quando questionada de uma perspectiva bíblica sobre sua intimidade imoral, ela reconheceu que não estava certa, mas disse: “Eu acho que Deus quer que eu seja feliz”. Ela nunca imaginou que ficaria grávida após apenas uma vez. Ela estava com medo. Um bebê mudaria todos seus planos para o futuro. Ficou deprimida. Foi à clínica e derramou seu coração a um conselheiro. Não poderia pensar num aborto. Deus não gostaria daquilo. O conselheiro disse: “Eu acho que Deus quer que você seja feliz”.
A mulher, divorciada há dezesseis anos, tinha tido uma vida dura. Seu "ex" havia casado de novo e estava feliz. Sua filha mais velha havia saído de casa cinco anos antes; elas não haviam se falado desde o aborto. Seu filho tinha acabado de se formar do colegial. Nenhum dos seus filhos jamais havia obedecido o evangelho. A amargura e o desânimo tomaram conta do seu coração. A igreja da qual fazia parte era pequena e estava envelhecendo. Ela não estava feliz. Seus amigos do trabalho convidaram-na para ir na igreja deles. Ela foi. Ela encontrou pessoas da sua idade nas mesmas circunstâncias que ela. Tornaram-se amigos. A igreja pequena e envelhecida começava a ficar menor e mais envelhecida. Quando abordaram a mulher sobre sua troca da verdade de Deus por uma mentira, ela reconheceu que sua igreja nova fazia algumas coisas com as quais ela não se sentia a vontade, mas disse: “Eu acho que Deus quer que eu seja feliz”.
A frase “acho que Deus quer que eu seja feliz” já foi usada por muitos para justificar sua imoralidade e suas apostasias. A lógica baseia-se numa definição egocêntrica da felicidade e da suposição que Deus quer esse tipo de felicidade para nós. Esta lógica ignora ou é cega a toda a infelicidade no seu caminho. O homem divorcia para ser feliz, mas deixa para trás uma família infeliz. A menina comete fornicação para ser feliz e aumenta sua infelicidade. Ela aborta para ser feliz e priva seu filho da vida, da liberdade e da felicidade. A mãe abandona sua fé para ser feliz. Tudo isso acontece porque as pessoas supõem que Deus quer que sejam felizes.
Você consegue imaginar? Eva observa o potencial da fruta proibida em fazê-la feliz e raciocina: “Eu sei o que Deus falou ‘não comerás’ mas acho que Deus quer que eu seja feliz” (Gênesis 3:6). Nós devemos considerar que os limites de Deus são estabelecidos para nossa felicidade.
Acabe não poderia ser feliz a não ser que tivesse uma determinada vinha. “Eu sei que Deus disse ‘não matarás’ mas eu acho que Deus quer que eu seja feliz.” Acabe e Jezabel levaram em consideração a felicidade de Nabote (1 Reis 21:4-7)?
Demas pode ter raciocinado: “Eu sei que devo permanecer e trabalhar com Paulo, mas eu acho que Deus quer eu eu seja feliz” (2 Timóteo 4:10). O mesmo pensamento pode nos afetar se nossa felicidade pessoal for determinada pelos acontecimentos e circunstâncias neste mundo atual. Muitos raciocinam e desculpam-se do serviço espiritual sacrificial porque, no fundo, acham que Deus quer que sejam felizes!
Na nossa fartura tornamo-nos obcecados com a importância de ser feliz. Salomão fez isso tudo e concluiu que é vaidade (Eclesiastes 2:1-11). George Bernard Shaw brincou: “O segredo de ser miserável é ter o tempo livre para incomodar-se sobre a questão de ser feliz ou não.” Certamente, para muitos a busca da “felicidade” só trouxe uma miséria maior.
As pessoas estão procurando a felicidade em todos os lugares errados. A maioria recorda a conclusão de Salomão: “Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem” (Eclesiastes 12:13), mas não percebe que essa conclusão também é a chave a felicidade verdadeira e duradoura.“Bem-aventurado é o povo cujo Deus é o SENHOR!” (Salmo 144:15) e cuja esperança está nele (Salmo 146:5). Temer o Senhor e andar nos seus caminhos traz a felicidade a tudo, desde o alimento que você come à família com quem você compartilha o mesmo (Salmo 128:1-4). A bênção vem àqueles que honram, obedecem e confiam no Senhor Deus (Provérbios 16:20; 28:14; 29:18). Não é a busca à felicidade que traz a felicidade mas a busca à vontade de Deus.
Os modelos exemplares da fé não são encontrados buscando a felicidade. Que tipo do exemplo Jó seria se tivesse simplesmente desistido da fé para ser mais feliz? É sua resistência com a infelicidade extrema que o torna notável (Tiago 5:10-11). E se Maria tivesse decidido que seria mais feliz se abortasse seu Filho? No fim, Maria encontrou sua felicidade em poder servir à vontade de Deus (Lucas 1:38).
Se Jesus tivesse decidido que seria mais feliz no céu nós estaríamos perdidos! Nós somos chamados para imitarmos a atitude sem egoísmo de Jesus (Filipenses 2:5-8). Quando um homem divorcia sua esposa para a felicidade pessoal, não está valorizando os outros mais do que ele mesmo (versículo 3). Quando uma mulher aborta seu filho para conseguir a felicidade, está cuidando dos seus próprios interesses e não dos interesses de seu bebê (versículo 4). Essas atitudes não refletem a mente de Cristo.
Deus não nos chamou à felicidade como nós definimos a felicidade. Pelo contrário, nós fomos chamados para sofrer, se for preciso, para a causa de Cristo (1 Pedro 2:19-21). É melhor sofrer por fazer o bem do que por fazer o mal em um esforço mal orientado de ser feliz (3:17). Não há nenhum valor em sofrer como um malfeitor, contudo se algum sofrer como cristão não há vergonha nisso, mas é uma ocasião para regozijar e ficar contente (4:12-16).
Deus quer que você seja feliz? Com certeza! No entanto, as escrituras que te informam que Deus quer a sua felicidade eterna também dizem que ele odeia o divórcio (Malaquias 2:16), que nós devemos fugir da fornicação (1 Coríntios 6:18), que esse Deus odeia as mãos que vertem o sangue inocente (Provérbios 6:17), que nós devemos ser fiéis até a morte (Apocalipse 2:10).
Nenhuma parte da palavra de Deus pode ser ignorada ou comprometida para garantir a felicidade que Deus oferece. Sim, Deus quer que sejamos felizes, e é por isso que nós devemos odiar o que ele odeia e amar o que ele ama. Jesus disse, “Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes” (João 13:17). Se você não tiver a felicidade que Deus oferece, então ou você não conhece as coisas de Deus ou não está as praticando.
(–por Andy Diestelkamp)Que Deus Abençoe a Todos Pastor Antonio Marques.

MEDITAÇÃO DO DIA

24 de outubro  Dia 297  

Leituras: João 6:28-40; Hebreus 11:30-40; Salmo 101; Provérbios 24:19-22; Amós 1-3.  

Versículo Especial“Longe de mim o coração perverso; não quero conhecer o mal” (Salmo 101:4).  

Pensamento Bíblico: “Não Porei Cousa Injusta Diante dos Meus Olhos” (Salmo 101). As palavras de Davi refletem a determinação do rei de Israel em ser puro e justo na execução de seus deveres. Elas também nos convidam a sustentar o bem e a opor-nos ao mal. Quando escolhemos nossas associações e divertimentos, precisamos rejeitar a impiedade e a perversidade tão comuns nesta sociedade corrupta. Temos que determinar sermos puros: não pôr nada injusto diante de nossos olhos.  

Ação: Medite em coisas que são boas e puras.

23 de outubro de 2013

MENSAGEM PARA SEU CORAÇÃO


A consciência
A consciência revela o que cada homem acredita que “deve” ser (Atos 23:1,24; 24:16; 26:9-11). É indicativo de seu sentimento interno sobre o moral correto, do ideal nobre pelo qual sente que deve lutar. É o seu estímulo em direção à sua concepção de alturas morais, e seus freios contra fazer o que acredita ser errado. A consciência não é o padrão final da verdade, porque isso deve vir de Deus através da revelação; mas a consciência para Deus diz a atitude do indivíduo em relação a Deus. É por isso que o homem tem que fazer o que ele verdadeiramente acredita que Deus quer que ele faça (Romanos 14).
Enquanto alguém tenta fazer o que acredita que Deus quer que faça, ➊ ele pode ter um conceito errôneo do que Deus deseja (que era o caso de Saulo, ao perseguir os cristãos), ou ➋ ele pode, por causa da fraqueza da carne, agir de modo contrário às suas intenções boas (Romanos 7:22 em diante). Neste caso, ele fica infeliz por causa de sua consciência – humilhado diante de Deus, e reconhecedor da sua necessidade do perdão em Cristo. Somos todos criaturas imperfeitas, e devemos, às vezes, sentir esta aflição.
Mas e aqueles que participam, aceitam e apóiam aquilo que é contrário à palavra de Deus ou que não tem nenhuma autorização divina? Podem não saber que é errado e podem estar agindo com boa consciência diante de Deus. Neste caso, informações adicionais sobre a palavra de Deus seriam bem aceitas. Porque querem verdadeiramente fazer sua vontade, abrirão sua Bíblias com alegria, investigarão e mudarão sua conduta para encaixar-se na evidência. Desta maneira eles mantêm uma boa consciência diante de Deus (1 Pedro 3:21).
Entretanto, infelizmente, nós devemos reconhecer que há aqueles que não têm tal caráter nobre (Atos 17:11). Ficam irritados se sua prática for questionada. Amam o elogio dos homens mais do que o elogio de Deus (João 12:42-43). Se sua consciência para Deus continuar a funcionar, conduzem a uma vida infeliz, lutando com si, oprimidos com os sentimentos de culpa. Indesejável – sim, mas ainda há esperança enquanto a batalha acontece. Como é terrivelmente triste ver alguém cuja consciência está cauterizada (1 Timóteo 4:2), e que pode rejeitar Deus sem receio algum.
(–por Robert Turner)Que Deus Abençoe a Todos Pastor Antonio Marques.

MENSAGEM PARA SEU CORAÇÃO


Roubando a palavra de Deus
Roubar é um pecado lamentoso, citado com outros pecados lamentosos. Aqueles que cometem tais pecados não herdarão o reino de Deus. 
“Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus” (1 Coríntios 6:9-10). 
Uma pessoa pode roubar de Deus segurando aquilo que é de Deus por direito – negligenciando dar conforme prosperou (1 Coríntios 16:1-2; Malaquias 3:8-10). 
Uma pessoa pode até roubar a palavra de Deus. Deus fez esta acusação contra os profetas de Judá. “Portanto, eis que eu sou contra esses profetas, diz o SENHOR, que furtam as minhas palavras, cada um ao seu companheiro” (Jeremias 23:30). Eles roubaram a palavra de Deus ensinado a sua própria palavra ao povo em vez de ensinar a palavra de Deus. 
Isso continua hoje. Cristo, com toda a autoridade na terra e no céu, claramente disse, “Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Marcos 16:16). Quando alguém ensina a salvação pela fé somente, ele rouba das pessoas aquilo que Jesus realmente falou. Jesus disse, “Quem crer ...” [mas ele não parou aqui] “... e for batizado será salvo.” Ensinar que o batismo não é essencial para a salvação é cometer o mesmo erro pelo qual Deus condenou os profetas de Judá. 
A carta de Tiago, no Novo Testamento, apresentou dificuldades enormes para Lutero, devido ao conceito dele de salvação pela fé somente. Ele chamou-a de uma epístola de palha. Ela ainda dá enormes problemas aos advogados da doutrina de Lutero, pois Tiago disse, “Verificais que uma pessoa é justificada por obras e não por fé somente” (Tiago 2:24). 
Paulo disse, “Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que tenha com que acudir ao necessitado” (Efésios 4:28). Se isso é um bom conselho em relação a assuntos materiais, quanto mais em assuntos espirituais quando milhões e milhões de pessoas em cada geração precisam da salvação! 
Não roube dos perdidos no mundo a palavra do Filho de Deus que lhes conta o que devem fazer para serem salvos dos pecados e das suas conseqüências horríveis. 
Não esqueça o que Deus disse aos falsos profetas de Judá: “Portanto, eis que eu sou contra esses profetas, diz o SENHOR, que furtam as minhas palavras, cada um ao seu companheiro” (Jeremias 23:30).
(–por Billy Norris)Que Deus Abençoe a Todos Pastor Antonio Marques.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...