28 de fevereiro de 2014

MENSAGEM PARA SEU CORAÇÃO


Fartos com a bondade de Deus

“E o meu povo se fartará com a minha bondade, diz o SENHOR” (Jeremias 31:14).
Nos dias de Jeremias, Israel não estava satisfeito com Deus. Achavam que os outros deuses eram as chaves para sua felicidade. O problema era que Israel tinha se tornado tão materialista que pensou no seu bem estar somente em termos materiais. Os tempos bons foram medidos pela abundância, pela prosperidade e por posses físicas, e acreditava-se que estas coisas eram presentes dos deuses tais como Baal e Aserá. Yahweh (o Senhor) tinha se tornado associado com a pobreza e a necessidade. Havia um elemento de verdade nisto. Deus tinha retido a prosperidade física de Israel no esforço de chamar a sua atenção, assim veria que precisava de Deus e que precisava estar num relacionamento correto com ele. Entretanto, em vez disso, Israel começou a pensar que se Deus não os abençoasse, Baal abençoaria. Assim, se afastaram do Deus Todo-Poderoso e voltaram-se a um ídolo impotente.
Israel falhou em não ver que a retidão com Deus é a única coisa verdadeiramente importante na vida. Como Jesus nos diz:“Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes?” (Mateus 6:25). Disse também: “Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui” (Lucas 12:15). O apóstolo Paulo incentivou a mesma atitude quando disse: “De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes” (1 Timóteo 6:6-8). Nossas circunstâncias e confortos físicos não são nossos maiores problemas. No entanto, passamos boa parte das nossas vidas agindo com se fossem.
O que é verdadeiramente importante, muito mais do que qualquer outra coisa, é estar certo com Deus. Deus fez isso possível por meio do presente de seu Filho que deu sua vida para nós na cruz. Em Jeremias 31:10-14, Deus estava falando do dia em que encheria Israel com sua bondade outra vez, mas não era em simples bênçãos físicas que Deus estava pensando. Era numa bênção que seria de natureza espiritual, uma que seria proclamada aos gentios (31:10). A proclamação de Deus ajuntar seu Israel para si seria uma notícia tão maravilhosa que o povo de Deus ficaria feliz simplesmente em saber que a comunhão com Deus tinha sido restaurada. Afinal, o que podia ser mais importante? Que bondade maior de Deus poderia existir?
Enós? Ficamos satisfeitos sabendo que fomos abençoados por Deus com o maior presente de todos – a salvação das consequências terríveis do pecado? Nossa atitude é que se tivermos isso, não precisamos realmente de mais nada? Ou somos como os israelitas antigos, que eram tão míopes que as coisas físicas eram tudo que viam e valorizavam?
(–por David McClister) Que Deus Abençoe a Todos Pastor Antonio Marques

MEDITAÇÃO DO DIA

28 de fevereiro   Dia 59  

Leituras: Mateus 17:14-21; Atos 21:15-25; Salmo 53; Provérbios 13:7-12; Levítico 25.  

Versículo Especial“Da soberba só resulta a contenda, mas com os que se aconselham se acha a sabedoria”(Provérbios 13:10).  

Pensamento BíblicoA Tolice de Negar Deus (Salmo 53:1). É uma maneira insensata e de visão curta de encarar a vida, negar a evidência da existência de Deus. Tal filosofia conduz a uma vida vazia na terra, e à miséria eterna da separação do bom e santo Deus de todos. Temos que nos lembrar, contudo, de que os ateus não são os únicos que negam a Deus. Quando vivemos egoistamente, despreocupados com nossa responsabilidade perante Deus, somos igualmente insensatos e de vista curta. Precisamos viver como pessoas que verdadeiramente acreditam que Deus é real.  

Ação: Dê cada passo hoje, como se Deus o estivesse observando. Ele está!  

27 de fevereiro de 2014

MEDITAÇÃO DO DIA

27 de fevereiro   Dia 58  

Leituras: Mateus 17:1-13; Atos 21:1-14; Salmo 52; Provérbios 13:1-6; Levítico 23-24.  

Versículo Especial: “Então, eles, levantando os olhos, a ninguém viram, senão Jesus” (Mateus 17:8).  

Pensamento BíblicoEles Viram Jesus Sozinho (Mateus 17:1-9). Pedro, Tiago e João gozaram de um privilégio, aqui, que haveria de ter emocionado muitos judeus do seu tempo. Eles, na verdade, conseguiram sentar-se aos pés de Moisés, o grande doador da Lei, e de Elias, o profeta. Pedro, provavelmente, pretendeu honrar Jesus pondo seu tabernáculo bem junto das tendas destes heróis do Velho Testamento, mas Deus pretendia outra mensagem. Moisés desapareceu. Elias desapareceu. Jesus permaneceu.  “Ouça-o”.  

Ação: Ouça reverentemente as palavras de Jesus. Obedeça-o.  

26 de fevereiro de 2014

MENSAGEM PARA SEU CORAÇÃO

    Como Jesus Venceu a Tentação

Na luta do cristão contra o diabo, o principal campo de batalha é a tentação. O discípulo precisa vencer o inimigo superando as tentações. Não estamos sós, contudo. Jesus tornou-se um homem, foi tentado como somos, obteve a vitória, assim mostrando como nós podemos triunfar sobre Satanás (note Hebreus 2:17-18; 4:15). É essencial, portanto, que analisemos cuidadosamente de que forma Jesus venceu.
Embora Jesus foi tentado várias vezes, ele enfrentou um teste especialmente severo logo depois que foi batizado. Lucas recorda este evento (Lucas 4:1-13), mas seguiremos a história conforme Mateus a conta: "A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome" (Mateus 4:1-2). Pelo fato que foi o Espírito que levou Jesus para o deserto mostra que Deus pretendia que Jesus fosse totalmente humano e sofresse tentação. Note estas três tentativas de Satanás para seduzir Jesus.

Primeira Tentação

A afirmação do diabo: "Se és o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães" (4:3). O diabo é um mestre das coisas aparentemente lógicas. Jesus estava faminto; ele tinha poder para transformar as pedras em pão. O diabo simplesmente sugeriu que ele tirasse vantagem de seu privilégio especial para prover sua necessidade imediata.
As questões: Era verdade que Jesus necessitava de alimento para sobreviver. Mas a questão era como ele o obteria. Lembre-se de que foi Deus quem o conduziu a um deserto sem alimento. O diabo aconselhou Jesus a agir independentemente e encontrar seus próprios meios para suprir sua necessidade. Confiará ele em Deus ou se alimentará a seu próprio modo? Há  aqui, também, uma questão mais básica: Como Jesus usará suas aptidões? O grande poder que Jesus tinha seria usado como uma lâmpada de Aladim, para gratificar seus desejos pessoais? A tentação era ressaltar demais os privilégios de sua divindade e minimizar as responsabilidades de sua humanidade. E isto era crucial, porque o plano de Deus era que Jesus enfrentasse a tentação na área de sua humanidade, usando somente os recursos que todos nós temos a nossa disposição.
A resposta de Jesus: "Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (4:4). Em cada teste, Jesus se voltava para as Escrituras, usando um meio que nós também podemos empregar para superar a tentação. A passagem que ele citou foi a mais adequada naquela situação. No contexto, os israelitas tinham aprendido durante seus 40 anos no deserto que eles deveriam esperar e confiar no Senhor para conseguir alimento, e não tentar conceber seus próprios esquemas para se sustentarem.
Lições: 1. O diabo ataca as nossas fraquezas. Ele não se acanha em provar nossas áreas mais vulneráveis. Depois de jejuar 40 dias, Jesus estava faminto. Daí, a tentação de fazer alimento de uma maneira não autorizada. Satanás escolhe justamente aquela tentação à qual somos mais vulneráveis, no momento. De fato, as tentações são freqüentemente ligadas a sofrimento ou desejos físicos. 2. A tentação parece razoável. O errado freqüentemente parece certo. Um homem "tem que comer" . Muitas pessoas sentem que necessidades pessoais as isentam da responsabilidade de obedecer às leis de Deus. 3. Precisamos confiar em Deus. Jesus precisava de alimento, sim. Porém, mais do que isso, precisava fazer a vontade do Pai. É sempre certo fazer o certo e sempre errado fazer o errado. Deus proverá o que ele achar melhor; meu dever é obedecer-lhe. É melhor morrer de fome do que desagradar ao Senhor.

Segunda Tentação

A afirmação do diabo: "Então, o diabo o levou à Cidade Santa, colocou-o sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se és filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra" (4:5-6). Jesus tinha replicado à tentação anterior dizendo que confiava em cada palavra do Senhor. Aqui Satanás está dizendo: "Bem, se confia tanto em Deus, então experimenta-o. Verifica o sistema e vê se ele realmente cuidará de ti." E ele confirmou a tentação com um trecho das Escrituras.
As questões: A questão é: Jesus confiará sem experimentar? Desde que Deus prometeu preservá-lo do perigo, é certo criar um perigo, só para ver se Deus realmente fará como disse?
A resposta de Jesus: "Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus" (4:7). A confiança verdadeira aceita a palavra de Deus e não necessita testá-la.
Lições: 1. O diabo cita a Escritura; ele põe como isca no seu anzol os versículos da Bíblia. Pessoas freqüentemente aceitam qualquer ensinamento, se está acompanhado por um bocado de versículos. Mas cuidado! O mesmo diabo que pode disfarçar-se como um anjo celestial (2 Coríntios 11:13-15) pode, certamente, deturpar as Escrituras para seus próprios propósitos. O diabo fez três enganos: Primeiro, não tomou todas as Escrituras. Jesus replicou com: "Também está escrito". A verdade é a soma de tudo o que Deus diz; por isso precisamos estudar todos os ensinamentos das Escrituras a respeito de um determinado assunto para conhecer verdadeiramente a vontade de Deus. Segundo, ele tomou a passagem fora do contexto. O Salmo 91, no contexto, conforta o homem que confia e depende do Senhor; ao homem que sente necessidade de testar o Senhor nada é prometido aqui. Terceiro, Satanás usou uma passagem figurada literalmente. No contexto, o ponto não era uma proteção física, mas uma espiritual. 2. Satanás é versátil. Jesus venceu em uma área, então o diabo se mudou para outra. Temos que estar sempre em guarda (1 Pedro 5:8). 3. A confiança não experimenta, não continua pondo condições ao nosso serviço a Deus, e não continua exigindo mais prova. Em vista da abundante evidência que Deus apresentou, é perverso pedir a Deus para fazer algo mais para dar prova de si.

Terceira Tentação

A afirmação do diabo: "Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou- lhe todos os reinos do mundo e a glória deles e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares" (4:8-9). Que tentação! O diabo deslumbrava com a torturante possibilidade de reinar sobre todos os reinos do mundo.
As questões: A questão aqui não era tanto a de Jesus tornar-se um rei (Deus já lhe tinha prometido isso Salmo 2:7-9; Gênesis 49:10), mas de como e quando. O Senhor prometeu o reinado ao Filho depois de seu sofrimento (Hebreus 2:9). O diabo ofereceu um atalho: a coroa sem a cruz. Era um compromisso. Ele poderia governar todos os reinos do mundo e entregá-los ao Pai. Mas, no processo, o reino se tornaria impuro. Então as questões são: Como Jesus se tornaria rei? Você pode usar um meio errado e, no fim, conseguir fazer o bem?
A resposta de Jesus: "Retira-te Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele darás culto"(4:10). Nada é bom se é errado, se viola as Escrituras.
Lições: 1. Satanás paga o que for necessário. O diabo ofereceu tudo para "comprar" Jesus. Se houver um preço pelo qual você desobedecerá a Deus, pode esperar que o diabo virá pagá-lo. (Leia Mateus 16:26). 2. O diabo oferece atalhos. Ele oferece o mais fácil, o mais decisivo caminho ao poder e à vitória. Jesus recusou o atalho; Ele ganharia os reinos pelo modo que o Pai tinha determinado. Hoje Satanás tenta as igrejas a usar atalhos para ganhar poder e converter pessoas. O caminho de Deus é converter ensinando o evangelho (Romanos 1:16). Exatamente como ele tentou Jesus para corromper sua missão e ganhar poder através de meios carnais, assim ele tenta nestes dias. 3. O diabo oferece compromissos por bons propósitos. Ele testa a profundeza de nossa pureza. Ele nos tenta a usar erradamente as Escrituras para apoiar um bom ponto ou dizer uma mentira de modo a atingir um bom resultado. Nunca é certo fazer o que é errado.

Conclusão

Nesta batalha entre os dois leões (1 Pedro 5:8; Apocalipse 5:5), Jesus ganhou uma vitória decisiva. E ele fez isso do mesmo modo que nós temos que fazer. Confiou em Deus (1 João 5:4; Efésios 6:16). Usou as Escrituras (1 João 2:14; Colossenses 3:16). Resistiu ao diabo (Tiago 4:7; 1 Pedro 5:9). O ponto crucial é este: Jesus nunca fez o que ele sabia que não era certo. Que Deus nos ajude a seguir seus passos (1 Pedro 2:21).
(- por Gary Fisher) Que Deus Abençoe a todos Pastor Antonio Marques.

MEDITAÇÃO DO DIA

26 de fevereiro   Dia 57  

Leituras: Mateus 16:21-28; Atos 20:17-38; Salmo 51; Provérbios 12:23-28; Levítico 21-22.  

Versículo EspecialO justo serve de guia para o seu companheiro, mas o caminho dos perversos os faz errar”(Provérbios 12:26).  

Pensamento BíblicoA Interferência de Pedro  (Mateus 16:21-23). Este incidente é um contraste claro com a parte precedente, que estudamos ontem. Aqui, Pedro se torna uma tentação para Jesus, porque ele não entende a necessidade da morte de Cristo. Note o claro contraste entre os versículos 23 e 17. Desta vez, Pedro não cogitava “das coisas de Deus, e sim, das dos homens.”  Ele não estava seguindo a vontade de Deus, mas procurando o rumo que fazia sentido para ele, do ponto de vista humano. Sempre que exaltamos o raciocínio humano acima da revelação divina, nos pomos em direção a uma colisão com o desastre espiritual. Quando o raciocínio humano comanda, nós erramos!  

Ação: Teste suas crenças, palavras e ações. Siga as coisas de Deus.

25 de fevereiro de 2014

MEDITAÇÃO DO DIA

25 de fevereiro   Dia 56  

Leituras: Mateus 16:13-20; Atos 20:1-16; Salmo 50; Provérbios 12:17-22; Levítico 19-20.  

Versículo EspecialOs lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor, mas os que obram fielmente são o seu prazer”(Provérbios 12:22).  

Pensamento Bíblico: A Grande Confissão de Pedro (Mateus 16:13-20). Naquele tempo, como agora, havia muitas atitudes diferentes para com Jesus. Pedro confessou a verdade: “Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo” (v. 17). Quando ele seguia cuidadosamente as coisas reveladas por Deus, Pedro sempre manifestava grandeza. De fato, é difícil imaginar uma confissão mais significativa do que a que ele proclamou. E
ntretanto, quando Pedro ouviu as idéias dos homens, ele lutou contra Jesus (Mateus 16:23). Se confiarmos na palavra de Deus, nós não erraremos.  

Ação: Confesse Cristo diante de outros; eles precisam saber a respeito dele!

24 de fevereiro de 2014

MEDITAÇÃO DO DIA

24 de fevereiro   Dia 55  

Leituras: Mateus 16:1-12; Atos 19:23-41; Salmo 49; Provérbios 12:12-16; Levítico 17-18.  

Versículo EspecialO caminho do insensato aos seus próprios olhos parece reto, mas o sábio dá ouvidos aos conselhos” (Provérbios 12:15).  

Pensamento BíblicoCuidado com o Fermento do Erro (Mateus 16:6-12). Jesus usou a oportunidade da fome física para ensinar uma lição espiritual. A fome espiritual não é para ser satisfeita com as doutrinas do homem, mas com a palavra de Deus. Sempre haverá doutrinas atraentes e falsas. Temos que distinguir o verdadeiro do falso, de modo que o fermento da falsa doutrina não penetre e contamine nossas vidas.  

Ação: Use seu tempo, hoje, estudando a vontade de Deus, de modo que você possa ficar melhor equipado para reconhecer as doutrinas falsas.

23 de fevereiro de 2014

MEDITAÇÃO DO DIA

23 de fevereiro   Dia 54  

Leituras: Mateus 15:29-39; Atos 19:11-22; Salmo 48; Provérbios 12:7-11; Levítico 15-16.  

Versículo Especial“Assim, a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente” (Atos 19:20).  

Pensamento Bíblico: Frutos do Arrependimento  (Atos 19:18-20). O povo de Éfeso mostrou que o seu arrependimento era verdadeiro, queimando muitos valiosos livros que tinha usado para buscar o mal. Às vezes, as mesmas mudanças são necessárias hoje em dia. Não podemos apegar-nos aos costumes do mundo. É demais abandonar os livros, revistas, discos, e fitas que encorajam pensamentos e práticas más? Seja o que for que nos atraia para a velha vida de pecado, precisa ser rejeitado. O céu vale o sacrifício.  

Ação: Determine com honestidade o que se antepõe entre você e Deus: e livre-se disso

21 de fevereiro de 2014

MEDITAÇÃO DO DIA

21 de fevereiro   Dia 52  

Leituras: Mateus 15:10-20; Atos 18:18-28; Salmo 46; Provérbios 11:27-31; Levítico 13.  

Versículo Especial“Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra”(Salmo 46:10).  

Pensamento Bíblico: Confiando nas Riquezas (Provérbios 11:28). A Bíblia está repleta de advertências a respeito da confiança nas riquezas, até mesmo chamando-a de uma forma de idolatria (veja Colossenses 3:5). Entretanto, muitas pessoas, entre elas cristãos, sacrificam coisas de real valor para ganhar dinheiro, economizar dinheiro, e progredir nas carreiras para ganhar mais dinheiro. No altar do materialismo, nós queimamos o nosso tempo, nossa energia, nossos irmãos e nossas famílias.

Ação: Defina hoje suas prioridades para procurar primeiro o Senhor, e manter seus olhos na meta celestial.


19 de fevereiro de 2014

MEDITAÇÃO DO DIA

19 de fevereiro   Dia 50  

Leituras: Mateus 14:22-36; Atos 17:16-34; Salmo 44; Provérbios 11:16-21; Levítico 8-9.  

Versículo Especial“Não confio no meu arco, e não é a minha espada que me salva” (Salmo 44:6).  

Pensamento Bíblico: Jesus Enfrentou Duras Situações em Oração (Mateus 14:23). O contexto desta noite de oração conta-nos muito sobre o valor da comunicação com o Pai Celestial. O dia anterior havia trazido notícias da morte trágica de João Batista (14:12-13), e havia sido um dia de grandes milagres, incluindo-se curas (14:14) e alimentação de mais de 5000 pessoas (14:15-21). O dia seguinte incluiria a caminhada sobre as águas (14:25) e alguns ensinamentos duros que fizeram com que muitos dos seus seguidores o abandonassem (veja João 6). Jesus, que conhecia melhor do que qualquer um o valor da comunicação com o Pai, enfrentou tais momentos de tensão com oração, no isolamento da montanha. Não sabemos se ele dormiu naquela noite, mas sabemos, sim, que ele orou.  

Ação: Ore.

18 de fevereiro de 2014

MENSAGEM PARA SEU CORAÇÃO


A correção de irmãos
Feridas de um amigo
“Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos” (Provérbios 27:6). Elogios não identificam necessariamente os amigos, nem a crítica sempre vem dos inimigos. Lembre-se de Judas que beijou o Senhor – e o traiu. Alguns dos elogios mais elaborados e melosos que já recebi vieram dos meus inimigos – muitas vezes associados a uma dor cortante nas costas, onde entrou a faca! Alguns dos comentários mais desagradáveis, doloridos e de murchar o meu ego sobre mim e meu trabalho vieram dos meus melhores amigos. Um inimigo contará a todos que você tem mau-hálito; um amigo talvez te dê refrescante bucal para você experimentar. Oh, como a crítica dói! Como ela nos faz sentir! Mas quando a dor do orgulho ferido ceder, você perceberá que era um favor. Ignorar o problema jamais teria ajudado. Você não teria o seu amigo para agir de outra maneira – apesar de precisar de um tempo para agradecer pela “ferida” que ele causou. É difícil agradecer um dentista enquanto ele está furando o dente!
Interesse genuíno na alma causa preocupação em um amigo que observa o meu caminho se afastar de Deus. Uma dura bronca pessoal – “tu és o homem” (2 Samuel 12:1-7) – pode ser necessária para me colocar nos eixos. É melhor sofrer com uma ferida temporária que a perda eterna. Eu me tornarei, então, o seu inimigo porque te conto a verdade? (veja Gálatas 4:16).
Porém, um amigo não acha prazer em causar tais feridas. Eu fico ressentido com o médico que sorri enquanto mexe num lugar dolorido! Eu sei que ele tem que fazer isso, mas não gosto de pensar que ele gosta disso! É fácil demais tornar uma crítica profissional e perpétua de tudo e de todos–se deliciar por achar falhas. Certamente tal atitude não é uma virtude e evidentemente raramente traz proveito para alguém. Um inimigo mira a sua flecha para destruir e machucar; um amigo jamais faz isso. Os nossos pais nos corrigiram. As marcas velhas nos “traseiros” não objetivavam a nossa destruição mas foram feridas de amor para o nosso proveito.
E há o outro lado da moeda – ser um amigo. Nem sempre é fácil. A amizade é mais do que visitas sociais, compartilhar refeições e aproveitar o companheirismo um do outro. É se preocupar o suficiente para fazer o que for preciso – independentemente de quanto a tarefa for desagradável.
A dura carta de correção aos coríntios de Paulo foi escrita “no meio de muitos sofrimentos e angústias de coração ... com muitas lágrimas ... para que conhecêsseis o amor que vos consagro em grande medida” (2 Coríntios 2:4). Paulo se preocupou a respeito de escrever a carta e como ela seria recebida, mas ele se alegrou quando soube do seu arrependimento (2 Coríntios 7:6). A sua atitude e as suas ações provaram a sua amizade.
Por que será que muitas vezes nós evitamos as tentativas de restaurarmos os perdidos (Gálatas 6:1). Sabemos que devemos, sabemos que seria uma bondade. Não é fácil! Por que não raciocinamos com os nossos vizinhos que não são cristãos? Alegamos ser amigos mas ignoramos a sua necessidade maior – a salvação do pecado. Receiamos dizer, “Temo que você estará perdido”. Ficamos quietos e os deixamos ir, sem incômodos, ao inferno. Que tipo de amigo faria assim?
(–por Joe Fitch)Que Deus Abençoe a Todos Pastor Antonio Marques.

MEDITAÇÃO DO DIA

18 de fevereiro   Dia 49  

Leituras: Mateus 14:13-21; Atos 17:1-15; Salmo 43; Provérbios 11:12-15; Levítico 6-7.  

Versículo Especial“Envia a tua luz e a tua verdade, para que me guiem e me levem ao teu santo monte e aos teus tabernáculos” (Salmo 43:3).  

Pensamento BíblicoA Alimentação dos Cinco Mil  (Mateus 14:13-21). Este é um dos mais conhecidos milagres feitos por Jesus. Sua ação mostra sua compaixão, mesmo quando ele lamentava a morte de João Batista. Este milagre também ressaltou sua habilidade para providenciar o que o povo realmente necessitava. Ainda que muitos homens não vejam além da satisfação do corpo, Jesus tinha vindo como o pão do céu para dar a vida eterna.  

Ação: Permita que a verdade de Deus o conduza em direção ao céu.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...